na cabeceira

literatura & diarices

Mitologia nórdica é um troço doido e lindo demais

Mitologia nórdica
Neil Gaiman
288 páginas
Intrínseca
Ano de publicação: 2017 

Sobre o que é: Neil Gaiman, esse homem maravilhoso, decidiu contar as histórias da mitologia nórdica do seu jeitinho, ou seja, aquela coisa meio conto de fadas, meio pessoas sentadas em volta de uma fogueira ouvindo um grande sábio explicar a origem do mundo. Ele separou alguns contos essenciais para entender os nórdicos, todos entrelaçados e culminando no Ragnarök, o apocalipse dos deuses. 

Por que ele é bom? É difícil dizer objetivamente por que um livro sobre mitologia nórdica escrito pelo Gaiman é bom, então vou deixar a objetividade de lado e exercitar o meu lado fangirl porque é pra isso que eu tenho um blog, afinal de contas. 

Eu amo mitologia. Todas elas. Histórias mitológicas sempre foram as minhas favoritas na infância porque é incrível pensar que as pessoas criaram tudo aquilo pra explicar as coisas ao seu redor. Quando a gente lê a mitologia de um povo, passa a entender melhor aquele povo. Cresci lendo muito sobre mitologia grega, sabendo tudo sobre as histórias, os deuses e me imaginando usando aquelas roupas fresquinhas que as meninas gregas usavam. Mas os nórdicos sempre foram meio desconhecidos, distantes, a gente não falava sobre eles nas aulas - e vamos lembrar que na minha infância não tinha essas tecnologias internéticas ou filmes com heróis cabeludos de capa, o máximo que tinha era o Homem-Aranha (que até hoje é o meu herói preferido pois Peter Parker é muito relacionável e um amorzinho), então não era como se eu tivesse acesso a essas coisas a não ser que eu fosse buscar por elas, e teria de ser uma busca bem específica na biblioteca limitadíssima da escola, ousseje. ¯\_(ツ)_/¯ 

Só fui entrar em contato com os nórdicos lá pelo ensino médio, quando encontrei um livrão com trocentas histórias deles e saí lendo tudo loucamente porque MITOLOGIA AAAAAAAAAAH ♥ Obviamente que amei demais, porém isso já faz uns seis ou sete anos, então esqueci muita coisa. Aí quando fiquei sabendo desse livro do Gaiman fiquei 


claramente animada, pois ESSE HOMEM!!!! Eu nem sou fã de Sandman e essas obras pelas quais ele é mais conhecido. Ele me conquistou mesmo pela gentileza e por uma coisa chamada O oceano no fim do caminho, que é um livro lindíssimo que me atingiu tanto que faz anos que li e ainda não tive coragem de reler ou de escrever sobre; mas estou divagando. 


Top 8 homãos da Marvel

Aí que tava lendo uns posts aleatórios naquela rede social enquanto o sono não vinha e me deparei com um post do Buzzfeed que elenca os 19 homens da Marvel classificados do pior ao melhor na cama. Como achei aquilo curiosíssimo e a cara do nosso grupo do Cilada, propus pras meninas que fizéssemos nossas próprias classificações porque tenho cá minhas discordâncias das posições no post original. Mas como jamais conseguiria classificar os heróis da Marvel apenas pelo potencial de sedução, fiz minha listinha considerando tanto caráter quanto beleza. 


Obviamente diminuí o número de homãos na minha lista porque era homem demais na lista original, sendo que metade nem tinha que estar ali de qualquer forma. Entonces, agora que estamos combinados, bora pra lista! 


Uma espiral de pensamentos girando, girando, girando...

Tartarugas até lá embaixo
John Green
272 páginas
Intrínseca
Ano de publicação: 2017 

Sobre o que é: Aza Holmes é uma adolescente de dezesseis anos que tem probleminhas. Em sua cabeça, tudo pode matá-la, especialmente o contato com pessoas porque ela encasquetou que uma bactéria vai invadir seu corpo, fazer um estrago em seu estômago e controlar seu cérebro. Obviamente Aza está exagerando, mas pra ela tudo aquilo é muito real: Aza tem TOC e não consegue controlar a espiral de pensamentos que invadem seu cérebro e a impedem de viver normalmente. Enquanto isso, o pai de um antigo amigo desapareceu e ela, junto de sua melhor amiga, Daisy, vão se envolver no mistério.

Nunca pensei que eu fosse favoritar um livro do John Green.
Favoritei um livro do John Green.