na cabeceira

literatura & diarices

Frida Kahlo e as cores da vida, de Caroline Bernard


Recentemente, li uma biografia romanceada sobre Frida Kahlo que foi trazida para o Brasil pela editora Tordesilhas em parceria com a TAG Inéditos: Frida Kahlo e as Cores da Vida, de Caroline Bernard. Originalmente lançado em alemão, o livro traz os momentos mais memoráveis da vida de Frida de forma a nos fazer visualizar o México no qual a artista viveu e as coisas pelas quais passou. 

Ler esse livro é como ver a biografia de Frida Kahlo tomar forma e cores em sua mente. De certa maneira, o que Caroline Bernard fez foi novelizar a biografia, baseando-se naquela escrita por Hayden Herrera, e tal esforço provou-se frutífero. A narrativa criada pela escritora é envolvente, emocionante e imersiva. Me percebi não querendo largar o livro para nada, embora houvesse tantas coisas a serem feitas. Mas é muito fácil sentir-se atraído por aquela história, especialmente porque sabemos como ela termina mas, infelizmente, não temos o prazer de ter em mãos a versão completa dos fatos pelo ponto de vista da pintora. 

Para quem leu a biografia da Frida ou assistiu ao filme baseado nela, não há muitas surpresas no livro de Bernard. Mas me impressiona como um livro tão curto consegue ser tão profundo em certos momentos – não que livros pequenos não consigam sê-lo mas, em se tratando da vida de alguém que realmente existiu, é difícil resumir os pontos-chave e, mesmo omitindo algumas coisas, ser capaz de apresentar uma narrativa coesa, repleta de encantamento e de insights que conversam perfeitamente bem com o que sabemos sobre Frida Kahlo e a pessoa que ela foi para além de sua vida pública. 

Demorei cerca de duas semanas para lê-lo, mas isso se deve às demandas da vida e não à escrita da autora. Se fosse somente pela narrativa, teria demorado um dia, nem isso, pois ele é muito fluído. Sem dúvidas, bem escrito. De certa forma, é como ter um diálogo com a Frida – ou, ao menos, como ser um espectador de sua vida. É bonito, delicado e sensível. Ainda que saibamos que ele é baseado em materiais biográficos a respeito dela, pode parecer, ao realizar a leitura, que estamos realmente inseridos naquela narrativa e que ela é, incontestavelmente, real – mesmo os diálogos, claramente inventados, encaixam-se perfeitamente com o que sabemos sobre Frida e com o que ela provavelmente diria em determinadas situações. 

É praticamente impossível não gostar das personagens. Como não gostar de Frida Kahlo, não é mesmo? Fora ela, todos me pareceram bem verossímeis e até mesmo Diego Rivera, por quem nutro uma real antipatia, tornou-se mais agradável como personagem do livro.

A autora acertou ao ressaltar a importância da política na vida de Frida no início do livro mas, depois, o foco vai para os romances, o que não me agradou, pois Frida era uma mulher extremamente política. Seu viés comunista se fazia presente em sua vida e deveria ter sido mais presente no livro. No entanto, quase ninguém se detém nesse tema quando fala sobre ela, o que é uma pena. 

Gosto muito que a autora não tenha destrinchado todo o sofrimento e morte de Frida no final. Creio que ela soube exatamente onde parar para que o livro se tornasse poético e, ao mesmo tempo, uma bela homenagem para a artista. Ainda que a morte faça parte da vida, esse livro não é uma biografia, mas antes uma romantização de uma das mais icônicas personagens históricas do século XX. E, como tal, ele se sai bem, inclusive nos pontos que oculta da história.

4 Comentários

  1. Oi!

    Que bom que gostou da leitura do livro. Eu apenas assisti o filme, tirando ele não tenho familiaridade com a vida da pintora, mas ela com certeza foi uma mulher de fibra e admirável e fico feliz de a sua história estar sendo espalhada para que mais pessoas possam conhecer.

    Abraços,
    Andy - StarBooks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é muito bom mesmo, mas ler sobre a Frida é sempre uma experiência ♥ Recomendo a biografia dela, vale a pena.

      Excluir
  2. vi uma amiga mostrando essa edição da tag e fiquei com muita vontade de ler porque tá linda demais, mas depois desanimei um pouco ao ver que não era uma biografia. agora com seu post a vontade voltou novamente ??? HAHAHA enfim, né. amei seus comentários sobre o livro <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guria, eu não sabia que era ficção histórica, mas acabei gostando???? hahaha Entendo o desânimo, no entanto. Mas ó, é realmente bacana. Não é o melhor livro do mundo, mas acho que a autora consegue mergulhar na vida da Frida de uma maneira muito legal, especialmente pra quem quer conhecer um pouco mais sobre ela, mas não sabe por onde começar.

      Excluir

Postar um comentário