Leia mais

“a thing of beauty is a joy forever”

Um conto de Natal, de Charles Dickens

Ilustração de John Leech para a primeira edição de Um conto de Natal, de Charles Dickens
Um conto de Natal foi a leitura do mês do Clube do Livro do Querido Clássico. Foi feita uma enquete entre os participantes, que escolheram o clássico de Charles Dickens para lermos e conversarmos a respeito em dezembro. É meio vergonhoso admitir que eu tenho algumas edições desse livro, mas nunca o havia lido. Todo ano digo que o lerei, e todo ano acabo lendo outras coisas e o deixando de lado. Mas, desta vez o li e foi demais. 

Embora já tenha lido outras obras de Dickens, não sou acostumada com a escrita dele. Sei que ele é considerado o grande escritor da era vitoriana, mas quando penso na produção literária daquela época, basicamente lembro apenas de mulheres. Acho que, se há uma voz vitoriana a ser ouvida, ela é feminina. Mas Dickens também é uma voz - e bem alta. Talvez o escritor de maior sucesso de seu tempo, inclusive. 

Os temas centrais de sua obra estão lá. Não temos órfãos, mas a pobreza é exposta de diversas maneiras, a desigualdade social é deixada à mostra e a Revolução Industrial é duramente criticada, assim como as bases do capitalismo. Achei muito interessante a maneira como, por trás do marketing do livro, que gira em torno da existência de fantasmas, algo flertando com o gótico etc., o que pude enxergar em Um conto de Natal foi uma narrativa pautada no real - com uns toques de fantasia sobrenatural. Sim, existem fantasmas. Sim, Ebenezer Scrooge sai voando com eles e faz algumas viagens no tempo. Sim, é isso que o leva a mudar sua conduta. Mas esses me pareceram mais um como do que um o quê. O que acontece é que Scrooge é confrontado por seus arrependimentos e temores, sendo obrigado a encarar a si mesmo e, consequentemente, às pessoas que o cercam. Os fantasmas são apenas a maneira como isso é feito. 

Talvez seja por isso que essa história é tão aclamada. É fácil se identificar com o enredo. Fim de ano é uma época propícia a pensamentos sobre o passado, o presente e o futuro, um momento em que a gente pára e analisa o que estamos fazendo. E, às vezes, a conclusão a que chegamos é a de que ou mudamos, ou as coisas não serão muito bonitas. Foi o que aconteceu com Scrooge. 

Gostei bastante do livro, embora não tenha virado um grande favorito. Mas é uma leitura que recomendo. Acho, de verdade, que se trata de um desses livros essenciais porque dialogam com todo mundo, em qualquer lugar e época. Afinal, Scrooge é uma personagem universal - poderíamos até dizer que o mundo é dos Scrooges, mas não gosto de pensar isso. O que gosto de pensar, todavia, é que o espírito do Natal, se considerarmos que ele existe, é realmente de fazer uma parada, reavaliar nossas atitudes e tentar ser uma pessoa melhor - não por uma questão moral, mas sim porque é normal que, chegada essa época, a gente faça um balanço das coisas e tente ser uma pessoa mais gentil. Para nós e para os outros. 



Esse livro foi lido durante a leitura coletiva do mês de dezembro, realizada pelo Querido Clássico. Se quiser saber mais, basta acessar este link para ser redirecionado ao episódio de podcast que gravamos sobre ele. 

Comentários

Form for the Contact Page