na cabeceira

literatura & diarices

perturbação mental

~Coven of one, de Stephen Mackey~

Hoje o dia começou sendo ontem. Porque não dormi, né. Eu e meu projeto Vampira 2021. Aí eram umas 6h da manhã, os raios de sol começavam a entrar pela minha janela enquanto o pato (já contei do pato? o pato é um evento diário da minha existência, já deixou de ser um bicho para virar entidade absoluta) bicava a minha janela e gritava. Levantei após horas me remexendo na cama, sem nada de dormir, e fui fazer o que uma pessoa mentalmente sã faz: uma playlist. 

Mas não qualquer playlist! Atenção! É uma playlist de perturbação mental

(Neste momento, vocês podem estar olhando para a tela e se perguntando se realmente deveriam estar lendo isso. Provavelmente não, mas é a internet, não é mesmo. Melhor falar de playlist perturbadinha do que estar, sei lá, dando rt em pessoas aleatórias no twitter só para discordar delas.) 

Mas divago.

O fato é que criei essa playlist que serve muito bem de trilha sonora da minha vida, porque honestamente. Tem essa música da Fiona Apple (sempre a Fiona Apple, aquela linda) dizendo que teve que quebrar a janela porque, mals aí, ela tava suja. E atrapalhando a concentração na conversa com um cara. Que obviamente ficou chocadíssimo com a atitude da mulher. E, gente, compreendo muito? Digo, tentar explicar meus processos mentais para pessoas que simplesmente não entendem os porquês de uma pessoa neuroatípica? Pode ser um pouco desgastante. (Embora eu nunca tenha quebrado uma janela no meio de uma conversa, mas vai que.) 

Eu decidi uma coisa. 

(lá vem) 

Decidi que não vou mais me explicar, não. Farei tal qual os filmes do Lynch que simplesmente ~~existem e cada um que tire suas próprias conclusões, eu vou é comer um miojo e escutar Fiona Apple.

Correndo o risco de ser contraditória me explicando, o ponto é muito simples: as pessoas só entendem o que querem. Para que alguém te entenda, ou entenda qualquer coisa, na verdade, o ser humano em questão precisa estar disposto a deixar de lado sua baboseira mental e acreditar num outro ponto de vista. Nem todo mundo está. E ficar me explicando leva aí quase metade dos meus dias, todos os dias. Um pouco chato. Tudo isso para nada, obviamente, porque não adianta explicar se as pessoas simplesmente pensarão o que quiserem. 

Depois da centésima vez que uma amiga veio me questionar sobre o porquê eu demoro a responder, por que arquivei fotos com ela no meu instagram, por que eu sou, assim, uma pessoa insuportável, fiquei meio exausta. Porque assim, nem eu sei o que tem no meu instagram, para falar a verdade. Mas tomei a decisão de simplesmente ir arquivando tudo o que fosse muito pessoal porque tem umas gentes bizarras que chegam lá e ficam mandando mensagens e comentando fotos antigas e indo atrás dos meus amigos. E quero evitar a fadiga. Porém, o ponto é que não adianta entrar em DRs esquisitas sobre por que eu faço isso ou faço aquilo sendo que a pessoa já tem uma hipótese a respeito e simplesmente não vai mudar de opinião. E isso foi apenas um exemplo do que aconteceu, tem mil outras coisas que acontecem diariamente de pessoas questionando os ~~mysterious ways em que a minha personalidade opera. 

E, bem. 

As coisas acontecem porque sim. Eu faço desse jeito porque quis. Não tem muito mais do que isso, mesmo. (Quer dizer, até tem, eu sou a rainha da racionalização, afinal de contas, e sei de todos os meus porquês de trás pra diante. Mas quero explicar? Nhé. Alguém entenderia se eu explicasse? Nhé. Pois.) 

Depois de tudo isso, eu consegui dormir pela primeira vez em 24h. Muito bom ter insônia, nem me digam. Projeto Vampira 2021 operando com vigor aqui. 

Vi que mercúrio está retrógrado. Entrou ontem. Será que explica, gente? Eu gosto de astrologia, mas não gosto das pessoas que pautam sua vida pela astrologia porque né, convenhamos, o que mais tem é gente grossa que diz que é assim porque áries nisso, leão naquilo, e, amigo? Apenas não. Mas eu não dormi e criei uma playlist chamada perturbação mental bem na virada da retrogradação, então deve ter algum sentido nisso, sei lá. 

Falando em coisas estranhas, tem uma pessoa insistentemente tentando alterar a minha senha do ingressopontocom. Eu me incomodaria, mas a tristeza da pessoa que tenta hackear a conta do ingressopontocom de outra é algo tão patético que nem isso. 

“As for Gloria, she will never again call herself by the name she was given, the name he said again and again while she lay there with her face in the dirt... But not anymore. from now on, she will call herself Glory. A small difference, but right now it feels like the world.” E isso aqui me quebrou mais do que eu gostaria de admitir. 

Clique aqui para ouvir a playlist.

(é pra o player aparecer aqui embaixo, mas vai saber, né)

1 Comentários

  1. Nossa, falou tudo, preguiça eterna de ter que explicar tudo, sempre (sendo que não faz a menor diferença, não é mesmo?). E vou já ouvir essa playlist/hino ~ bati o olho em Communication e já gostei/favoritei. \o/

    ResponderExcluir

Postar um comentário